30 de agosto de 2011

OLHAR PARA MARIA

Olho para as imagens de Maria mas não falo com elas. Maria não está lá. Vou ao templo a ela dedicado, mas não falo olhando para a sua imagem. Maria não está lá. Tenho imagens dela no meu escritório e no quarto, mas não falo com suas imagens.
Maria não está lá. Canto sobre Maria e para Maria, sem olhar para sua imagem. Maria não está lá. Em geral, olho a escultura, depois perco os olhos no infinito, às vezes os fecho e imagino Maria, lá onde ela está, no colo infinito de Deus, ao lado de seu divino Filho. Então eu lhe digo coisas. E peço que interceda por mim, porque, de Jesus e de orar e interceder, Maria entende mais. Não sou um cristão mariano, sou um cristão Cristocêntrico, mas exatamente por colocar o Cristo Jesus o tempo todo no centro da minha fé tornei-me também mariano.
Percebo Maria, porque, quem está perto de Jesus nunca está longe de Maria, assim como quem está perto de Maria nunca está longe de Jesus.
A um amigo de outra religião que me perguntou por que sou cristão falei de Jesus. Sou cristão por causa dele, não por causa dos seus santos. Mas sou-lhe grato pelos santos que ele nos deu.
A outro amigo que me perguntou por que fiz tantas canções para Maria, respondi que nunca ouvi dizer que um filho não gostasse de ver sua mãe elogiada.
Maria não é deusa, mas nunca ninguém neste mundo esteve tão perto de Deus quanto ela. Afinal, o Filho de Deus morou no seu ventre por nove meses e esteve lado a lado com ele por mais de trinta anos.  Maria é cristocêntrica. Ela aponta o tempo todo para o centro que é Jesus e este, para a Santíssima Trindade.