18 de fevereiro de 2013

Dicas para viver bem a Quaresma


Para vivermos bem a Quaresma deste ano, vão aqui algumas dicas ou pontos importantes. Primeiro, escuta da Palavra de Deus. A Palavra de Deus nos vem na história, nas Escrituras, na Pregação Litúrgica. Toda atenção é pouca nas leituras bíblicas dos domingos da Quaresma. Quem tiver a felicidade de acompanhar as leituras diárias da liturgia, muito melhor. Na missa, no rádio, nas redes católicas de TV: hoje as possibilidades são inúmeras para isto. As próprias bíblias já trazem o roteiro das leituras da Quaresma.  O tempo é de aprofundamento da Bíblia, Então, ler em casa a Bíblia. Então, primeiro que tudo, nesta Quaresma toda atenção à santa palavra de Deus. Ela nos convoca à conversão. Ela nos estimula no crescimento na fé, na perseverança da caridade, na firmeza da esperança. E nos leva também à Oração.

Chegamos ao segundo ponto para a vivência da Quaresma. Oração. É tempo de rezar mais e melhor. É na quaresma que se faz cada sexta-feira a via-sacra. São 7 sextas-feiras. A última é a sexta-feira da paixão. O conselho pra todo mundo é: não perder as celebrações dominicais em sua comunidade. Rezar diariamente. Ter cada dia seu momento de oração pessoal. Rezar.

Audição da Palavra de Deus, Oração. Já foram duas dicas. Lá vai a terceira. Jejum. Ninguém se assuste. Não é de agora que a Igreja nos pede o jejum. Todas as religiões que se prezam recomendam esta prática. O jejum, durante a quaresma, está marcado para os católicos para a quarta-feira de cinzas e a sexta-feira da paixão. E abstinência de carne todas as sextas-feiras da quaresma. O jejum educa a gente, vocês sabem disto. Ajuda a quebrar o nosso egoísmo, a nossa presunção, o nosso orgulho. Sobretudo nos ensina a solidariedade. Porque jejum que se preze é partilha: a gente passa para quem está com fome aquilo que nós deixamos de comer. E é aí que está a novidade do jejum dos cristãos: jejuar é, sobretudo, repartir com os famintos e necessitados o nosso alimento.

Três coisas já foram lembradas: Audição da Palavra de Deus, Oração, Jejum. E lá vai a quarta: Realizar gestos de fraternidade. Fazer concretamente alguma coisa pelos outros que precisam mais. Os profetas falavam de partilha de comida, da roupa, da água... Jesus fala do faminto, do sedento, do doente, do encarcerado, do maltrapilho... quem for fraterno com estes irmãos e irmãs, está sendo  fraterno com o filho de Deus, Jesus Cristo. Por isso na quaresma também se fala de esmola. Mas,  muita gente fica pensando logo num trocado que se dá a alguém. E a esmola de que se fala na quaresma é a partilha dos nossos bens com quem está passando necessidade.

Com a graça de Deus temos, no Brasil, a Campanha da Fraternidade, que justamente tem o seu momento forte na Quaresma. Assim, ninguém pode confundir gesto de fraternidade com apenas uma feirinha que se dá, ou uma ajudinha financeira a uma família pobre. A Campanha da Fraternidade cada ano aponta onde Jesus está esperando nosso gesto de fraternidade. A Igreja está nos apontando, neste ano, a juventude. Os jovens esperam de nós, que somos Igreja, o acolhimento, o testemunho, o apoio. Eles querem conhecer mais Jesus Cristo, eles querem ocupar o lugar deles na Igreja e na Sociedade.... é no compromisso com a vida e a salvação da juventude que o Senhor Crucificado e Ressuscitado está esperando ser acolhido, amado e servido. Por nós. Nesta Quaresma. E sempre.

Pe. João Carlos Ribeiro