20 de outubro de 2013

Recordar o passado e projetar o futuro


O 'trio' na Basilica de S. Paulo
Ontem, para nós todos, era o dia da festa da páscoa definitiva do Pe. Berthier. Aqui ele foi lembrado, mas sem solenidade e vibração, ao menos se considerarmos o jeito latino-americano. Acolhendo o passado para avaliar o presente e projetar o futuro, talvez teria sido oportuno recordar estas palavras do Fundador, ditas aos seus ‘filhos’ no dia 23.01.1907.
Há alguns que se mostram inquietos com o futuro da ‘obra’. Se eu vier a faltar, vocês só têm que seguir tranquilamente pelo mesmo caminho. Se vocês permanecerem unidos, consolidarão a ‘obra’. O que vocês devem temer são as divisões internas. Isso não quer dizer que as dificuldades exteriores não possam arruinar uma comunidade, sobretudo uma comunidade jovem. Mas há uma Providência especial que vela pelas obras que fazem o bem. E se vocês permanecerem unidos no amor, e se prosseguirem no caminho da humildade e da simplicidade que indiquei, podem contar com essa Providência. O que precisamos evitar é o desejo de aparecer, de far-se ver, de pregar e fazer barulho. É sobretudo desse espírito que devemos nos proteger. E se consideramos nossa condição e nossos limites, temos motivos bastantes para fazê-lo...”
Diante da Basilica de Santa Maria Maior
No dia do Fundador, trabalhamos pela manhã e folgamos à tarde. O primeiro tema em pauta na parte da manhã foi a Província Brasil Setentrional. A grave situação daquela Província já havia sido abordada amplamente na primeira semana. Ontem deveríamos decidir entre três possibilidades: a) deixar a situação ‘de molho’, esperando uma hipotética unificação das três Províncias do Brasil; b) nomear um interventor e afastar temporariamente a atual decisão provincial; c) suprimir a Província. Trinta e dois dos quarenta e quatro capitulares votaram pela segunda proposta. Os próprios representantes da Província em questão defenderam esta proposta. Agora o Governo Geral precisa ainda clarear e decidir quando e como se fará esta intervenção, tendo presente que é urgente.
Depois disso, voltamos às “Comissões Temáticas” para trabalhar na incorporação das sugestões apresentadas pela assembléia quando da apresentação da segunda versão dos textos ou ‘Documentos’. Feito isso, voltamos à assembléia para partilhar aquilo que havia sido feito. Neste momento, o mais importante não era reler o texto, mas narrar como havia sido desenvolvido o trabalho e que destino havia sido dado às sugestões. Assim, passamos a terceira versão dos ‘documentos’ específicos das Comissões (com pontos inspirativos e pontos operativos) a uma Comissão de Redação, para que dê unidade e organicidade aos cinco documentos parciais. Este ‘documento’ completo, acrescido de uma introdução e uma conclusão, será apresentado ao plenário para uma penúltima análise na tarde de hoje.
Cardeal Braz de Aviz na janta festiva
Enquanto a Comissão de redação trabalhava duro, os demais tivemos uma tarde livre. Acompanhei os coirmãos Paulo Roberto, George Lourenço e Tito Javier a uma visita às três basílicas mais importantes, depois de São Pedro: São Paulo fora dos muros (onde está a túmulo de São Paulo); Santa Maria Maior (destino de parte do ouro da América Latina que a Espanha tomou como se seu fosse e onde estão os supostos restos da manjedoura que acolheu o menino Jesus); São João de Latrão (a catedral de Roma). É claro que tivemos que fazer o percurso muito rapidamente. Talvez seja essa a última oportunidade em que atuo como ‘guia turístico’dos coirmãos em Roma...
No fim da tarde, recebemos a agradável visita do Cardeal Braz de Aviz, brasileiro, prefeito da Congregação para os Isntitutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica. Dom João Braz de Aviz participou conosco das Vésperas e, depois, manteve conosco um diálogo de 45 minutos em torno dos desafios e pistas atuais para uma vida religiosa evangelicamente autêntica. Depois, participou da janta festiva, em memória do Fundador, com direito a sobremesa e champagne! A presença dele foi unanimemente apreciada, especialmente pela cordialidade e simplicidade no modo de ser, e pela lucidez e oportunidade das suas reflexões.
Itacir Brassiani msf