3 de abril de 2015

Salve ó Cruz Libertadora, Fonte da Vida e da Paz!

Dom Roberto Francisco Ferreria PazBispo de Campos (RJ)
Na Sexta-Feira Santa somos convidados a beber do manancial da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo e contemplar sua morte redentora. O fazemos não na tristeza ou no dolorismo de uma derrota, mas na confiança e serenidade da fecundidade do grão, da certeza que nos dá a esperança e na fidelidade misericordiosa do Pai às promessas.
Acompanhamos a São João para quem a Cruz é o trono e o troféu da vitória sobre o pecado e a morte, Jesus nos ama até o fim, consumando a perfeição o projeto de salvação do Pai da ternura e bondade. Mas este mistério não é apenas lembrado mas vivenciado e atualizado na Igreja que sofre, e nos milhares de crucificados de hoje. A Cruz de Cristo continua atraindo e abraçando a todas as pessoas injustiçadas, oprimidas, deixadas a margem da vida, continua sendo um sinal de conversão e apelo à consciência de autoridades políticas corrompidas e violentas, impulsionando o testemunho de tantos homens e mulheres de boa vontade que amparam e defendem os pobres compartilhando o seu destino e a sua sorte.
Longe de ser um símbolo de força dos poderosos que teriam apagado mais uma voz profética, é mostra clara e nítida do amor infinito, eterno, misericordioso de Um Deus que morre para nos dar vida em abundância. Nestes dias em que assistimos uma das perseguições mais cruéis e mais duras contra milhares de cristãos no mundo, e com apreensão nos deparamos com uma violência inusitada em nosso país que ceifa a vida prematuramente a multidões de jovens, somos convidados a olhar o Cordeiro Pascal manso e humilde de coração, transpassado cujo Sangue nos liberta e nos lava do ódio, da raiva, da indiferença e da cumplicidade com as estruturas da morte que continuam a reinar em muitos âmbitos a serviço do dinheiro e da ganância sem limites.
A paz brota do Coração aberto de Jesus na Cruz, pois só Ele é capaz de nos transformar em operadores da justiça restauradora do Reino que reconcilia e gera a verdadeira fraternidade, trazendo o perdão generoso do Pai a todas as pessoas e situações humanas. Deus seja louvado!