16 de agosto de 2016

Conselhos do Papa para a Semana Nacional da Família



Cidade do Vaticano (RV) – Em sua Exortação Apostólica Pós-Sinodal Amoris Laetitia, o Papa Francisco diz que a alegria do amor que se vive nas famílias é também o júbilo da Igreja. Apesar dos numerosos sinais de crise no matrimônio, “o desejo de família permanece vivo, especialmente entre os jovens, e isto incentiva a Igreja". Como resposta a este anseio, “o anúncio cristão sobre a família é verdadeiramente uma boa notícia", afirma o Papa.
Estamos na Semana Nacional da Família. Em seu pontificado, o Papa Francisco sempre fez questão de ressaltar a importância da família e os valores que devem direcionar as relações familiares. Selecionamos algumas frases do Papa sobre esse assunto, veja:
A família e a Igreja
“Com íntima alegria e profunda consolação, a Igreja olha para as famílias que permanecem fiéis aos ensinamentos do Evangelho, agradecendo-lhes pelo testemunho que dão e encorajando-as. Com efeito, graças a elas, torna-se crível a beleza do matrimônio indissolúvel e fiel para sempre. Na família, “como numa igreja doméstica” (Lumen gentium, 11), amadurece a primeira experiência eclesial da comunhão entre as pessoas, na qual, por graça, se reflete o mistério da Santíssima Trindade. “É aqui que se aprende a tenacidade e a alegria no trabalho, o amor fraterno, o perdão generoso e sempre renovado, e sobretudo o culto divino, pela oração e pelo oferecimento da própria vida” (Catecismo da Igreja Católica, 1657), Amoris Laetitia.


1. “O verdadeiro vínculo é sempre com o Senhor. Todas as famílias têm necessidade de Deus: todas, todas! Necessidade da Sua ajuda, da Sua força, da Sua bênção, da Sua misericórdia, do Seu perdão. E requer-se simplicidade. Para rezar em família requer-se simplicidade! Quando a família reza unida o vínculo torna-se mais forte”. Homilia da Missa do Encontro de Famílias, que se realizou em Roma em outubro de 2013.
2. “E esta é a grande missão da família: arranjar lugar para Jesus que vem, receber Jesus na família, na pessoa dos filhos, do marido, da esposa, dos avós, porque Jesus está aí.” Audiência Geral, 17 de dezembro de 2014.
3. “Três palavras que devem existir sempre em casa: com licença, obrigado, desculpa. Com licença: para não se intrometer na vida dos cônjuges. Com licença, como te parece isto? Com licença, permite-me. Obrigado: agradecer ao cônjuge; obrigado por aquilo que fizeste por mim, obrigado por isto. A beleza da gratidão! E dado que todos nós erramos, há outra palavra um pouco difícil de pronunciar, mas necessária: desculpa.” Catequese, 2 de abril de 2014.
4. “Aquilo que mais pesa na vida é a falta de amor. Pesa não receber um sorriso, não ser benquisto. Pesam certos silêncios, às vezes mesmo em família, entre marido e esposa, entre pais e filhos, entre irmãos. Sem amor, a fadiga torna-se mais pesada, intolerável.” Discurso às Famílias, 26 de outubro de 2013
5. “Sim, ser mãe não significa só trazer um filho ao mundo, mas é também uma opção de vida: o que é que uma mãe escolhe? Qual é a opção de vida de uma mãe? A opção de vida de uma mãe é a opção de dar vida. E isto é grande, isto é belo.”  Audiência Geral, 7 de janeiro de 2015.
6. “O pai procura ensinar ao filho aquilo que ele ainda não sabe, corrigir os erros que ainda não vê, orientar o seu coração, protegê-lo no desânimo e na dificuldade. Tudo isso com proximidade, com doçura e com uma firmeza que não humilhe.” Audiência Geral, 4 de fevereiro de 2015.
7. “a verdadeira alegria que se experimenta na família não é algo superficial, não vem das coisas... a base deste sentimento de alegria profunda está a presença de Deus, a presença de Deus na família, está o seu amor acolhedor, misericordioso, cheio de respeito por todos. E, acima de tudo, um amor paciente: a paciência é uma virtude de Deus e nos ensina, na família, a ter este amor paciente, um com o outro. Ter paciência entre nós. Amor paciente. Se falta o amor de Deus, a família também perde a harmonia, prevalecem os individualismos, se apaga a alegria. Pelo contrário, a família que vive a alegria da fé, comunica-a espontaneamente, é sal da terra e luz do mundo, é fermento para toda a sociedade”. Jornada da Família, 27 de outubro de 2013.
 Semana Nacional da Família 2016
Comunidades de todo o Brasil já iniciaram as celebrações da Semana Nacional da Família no último domingo, Dia dos Pais, e prosseguirão até o dia 21 de agosto. Para auxiliar nas atividades de oração e reflexão, a Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF) prepararam o subsídio “Hora da Família”. O texto propõe sete encontros voltados às famílias, jovens, crianças, casais de namorados e noivos.
"O 'Hora da Família' neste ano quer nos envolver nesse clima da misericórdia divina, com vistas à missão. Não pode ficar unicamente entre os grupos de Pastoral Familiar. A nossa criatividade pastoral deve nos inspirar para que esse conteúdo seja partilhado, multiplicado, servido, também, em muitos outros ambientes onde nem sempre a Palavra está presente: escolas, centros de saúde, meios de comunicação, prédios, associações de moradores, periferias", sugere o bispo de Osasco (SP) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB, Dom João Bosco Barbosa.
Segundo o assessor nacional da Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF), Padre Moacir Silva Arantes, a Semana Nacional da Família é um momento valioso para testemunhar publicamente os valores da família. Para ele, o ‘Hora da Família’ quer ajudar a todos a fazerem a experiência com a misericórdia de Deus. "Este subsídio precioso de estudo, reflexão e oração, nos convida a realizar nos grupos pastorais, de vizinhos, de amigos, ou na intimidade do nosso lar, importante reflexão a respeito das obras de misericórdia. Queremos conhecer um pouco melhor o jeito de Deus ser e agir com seus filhos e filhas, para que possamos transformar o nosso ser e nosso agir para com os outros", explica o sacerdote.
(CNPF-CNBB) (VM)